Colunas

10 anos de Lady Gaga: Jazz e outros traços para a reconquista

Em 2014, já sob o gerenciamento de Bobby Campbell, seu novo empresário, Lady Gaga realizou shows em diversas partes do mundo com a turnê artRAVE: The ARTPOP Ball, promovendo seu mais recente álbum.

Nessa mesma época, a cantora planejou uma série de ações que a levariam de volta ao topo; da consolidação externa ao pop no mundo da música á definitiva adoração americana, uma longa lista de objetivos foi traçada.

Leia mais: 10 anos de Lady Gaga: o lendário Born This Way
                           10 anos de Lady Gaga: do horror nasce a reinvenção
                           10 anos de Lady Gaga: o começo de carreira
                           10 anos de Lady Gaga: a rebelião criativa de ARTPOP

Marcando o início dessas ações, em outubro de 2014 Gaga lançou um álbum conjunto com Tony Bennett – com quem havia colaborado em 2011. Cheek To Cheek contém regravações de clássicos presentes no Great American Songbook e direção visual assinada por Steven Klein. Foi o projeto responsável por levar a voz de Lady Gaga aos ouvidos de uma geração que sequer escutava suas músicas autorais voluntariamente, unindo seus fãs e o público admirador de jazz, públicos que outrora eram totalmente distintos.

Já no início de 2015, a norte-americana anunciou – para alegria dos fãs – que estava trabalhando novamente com seu colaborador de longa data, o sueco-marroquino RedOne. No mês seguinte, levou pra casa o Grammy de Melhor Álbum Pop Vocal Tradicional por Cheek To Cheek e, naquele mesmo mês de fevereiro, a cantora compareceu a cerimônia do Oscar, onde abalou as estruturas da imprensa mundial com seu opulento tributo ao filme The Sound Of Music. Como se não bastasse, Gaga trabalhava com Diane Warren para a trilha sonora do documentário The Hunting Ground e gravava as cenas da série de Ryan Murphy, American Horror Story: Hotel, da qual foi anunciada como protagonista.

Ao fim de 2015, Gaga trabalhou com Nile Rodgers em uma regravação do clássico “I Want Your Love” do CHIC, para a coleção primavera/verão do estilista Tom Ford, que resultou em um music-fashion film dirigido por Nick Knight. Aquele foi o primeiro material “pop” em sua essência desde o seu então mais recente álbum, lançado em 2013, e mesmo que não fosse autoral, foi o perfeito aperitivo para todos que aguardavam seu retorno à música pop.

Para fechar o ano com chave de ouro, Gaga foi nomeada pela Billboard como A Mulher do Ano de 2015 e, em entrevista concedida a edição comemorativa da revista – da qual obviamente era capa, a cantora soltou a frase “Quero explodir aos 30 anos!’’; algo que reverberou em todos meios difusores de informação musical como uma premissa de que seu novo projeto seria lançado muito em breve.

Suspeita essa que se confirmou logo no início de 2016, quando Lady Gaga recebeu por sua exímia performance como protagonista de American Horror Story o Globo de Ouro na categoria Melhor atriz em minissérie ou filme para a TV. Naquele dia, durante a coletiva de imprensa, Lady Gaga disse ao mundo o que ele tanto esperava ouvir: “I’m putting out an album this year”.

Comentários