Aretuza Lovi fala sobre o seu novo single, influências e dá pistas sobre o futuro

Horas antes de lançar o novo single, “Dodói”, Aretuza Lovi bateu um papo com a Gabi Caroline sobre a parceria com Thiaguinho MT, a arte drag e suas influências.

Interrogatório: inspirações, parcerias e planos do duo CyberKills

Formado por Gabriel Diniz e Rodrigo Oliveira, o CyberKills tem sido um dos nomes da PC Music no Brasil e nós conversamos com eles sobre isso e muito mais!

Larissa Conforto conta sobre a criação de seu projeto solo ÀIYÉ e como está passando a quarentena

Com o lançamento do EP “Gratitrevas”, gravado no Brasil e em Portugal, a multi-instrumentista Larissa Conforto estreia seu projeto solo ÀIYÉ.

Editors: Russell Leetch fala da carreira, coletânea Black Gold e pede dicas de músicas brasileiras

Aproveitamos o período de isolamento social para bater um papo com o Russell Leetch sobre o Editors, música brasileira e o que o baixista anda ouvindo.

Interrogatório: o rock para corações despedaçados da She Is Dead

Que tal uma série de músicas curtas para corações despedaçados? Esse é o lema da She Is Dead, banda que bateu um papo com a Juliana Vannucchi.

Låpsley fala sobre o seu novo álbum, influências e fãs em conversa exclusiva

Em entrevista para o Audiograma, a inglesa Låpsley fala sobre seu novo disco, a pressão do segundo álbum, a relação com os fãs e suas influências musicais.

Interrogatório: o “do it yourself” segundo Sidan Rogoziński

O músico e radialista Sidan Rogoziński bateu um papo com a gente sobre Do It Yourself, a cultura no Brasil e sobre a sua carreira.

Interrogatório: Lindsey Troy conta como é trabalhar com seus ídolos no Deap Lips

O que esperar da junção do Deap Vally com o Flaming Lips? Conversamos com a Lindsey Troy sobre o projeto Deap Lips, que lança álbum em março.

Interrogatório: conheça todo o experimentalismo do Quântico Romance

O Quântico Romance é um duo que transita pelos sons que marcaram os anos 80, mesclando Synthpop, Gótico Industrial e pop. Leia a nossa entrevista!

Sonja chega à cena carioca com personalidade marcante e sonoridade blues-rock

Cantando desde os seis anos, Sonja brinca com a voz e entrega tons graves e agudos, dando vida à sua personalidade forte e apaixonada pela arte.