Reviews

Review: Tribalistas – Tribalistas

Se reinventar nem sempre é uma tarefa simples. Prova disso é o lançamento do segundo álbum inédito do trio Tribalistas. O trabalho é uma réplica de melodias e conceitos testados no intitulado Tribalistas, lançado no mês de agosto.

Feito para reencantar os fãs e replicar o sucesso de 2002 (com 2 milhões de cópias vendidas), cada canção resgata algum elemento do primeiro álbum. O romantismo de “Aliança”, é mais um daqueles hits que tocará nas rádios e será tema de mais um casal na próxima novela das nove, assim como foi com a “Velha Infância”. Outra faixa dançante e romântica é “Feliz e Saudável”, remetendo outro sucesso do trio “Já sei Namorar”.

O difícil é ouvir a obra sem ser conduzido para o antigo trabalho, seja pela semelhança da letra ou arranjos na sua melodia. Diferente do primeiro, com dez músicas assinadas por eles, o segundo fugiu a essa regra. O atual disco possui quatro faixas deles – as outras seis incluem parceiros, como a portuguesa Carminho (que também canta, na infantil “Os Peixinhos”) e Brás Antunes (filho de Arnaldo) e Pedro Baby (filho de Baby do Brasil e Pepeu Gomes).

Um dos destaques do disco está logo na primeira faixa autoral do trio “Diáspora”, um belo feito. A letra fala sobre os refugiados, com uma delicadeza triste e sem revolta. Carregada de inúmeras referências bíblicas e históricas, além de citações de poemas de Castro Alves.

O disco permeia por temas como problemas sociais, política, amores atuais e perdidos, carregado de significado e reflexões. Um enfastioso resgate de ideias da primeira obra e vendido pela banda como um disco de “férias” — “A gente não quer transformar isso em trabalho. Queremos que continue sendo férias para a gente“, explicou Monte em entrevista à Folha de S. Paulo.

O novo álbum foi gravado no Rio de Janeiro com produção comandada por Monte. Um grande diferencial desse trabalho, foi que Monte e Brown tocaram uma série de instrumentos, não tão convencionais como colher de pau, panelas e até um dissipador de calor.

Depois de 15 anos sem nenhuma expectativa de retorno do trio, eles anunciaram sua volta nas redes sociais. Os singles “Diáspora”, “Um Só”, “Fora da Memória” e “Aliança”, ganharam clipes dirigidos por Dora Jobim, neta de Tom Jobim.

Mesmo sem trazer muitas novidades no novo trabalho, não há como negar que o segundo álbum do trio cumpre sua função, presenteando os seus fãs com uma boa dose de nostalgia do seu sucesso. E o mais importante, mantendo a qualidade e particularidade musical proposto por eles.

Não podemos negar que o trio se complementa bem, quando une o talento e experiências musicais. Marisa com seu jeito delicado melodioso, mas com uma voz firme ao mesmo tempo. Arnaldo contrapõem com sua voz grave, a cada verso musical cantado por ele, soa com uma declaração poética. E Carlinhos com todo seu arsenal percussivo, enfatiza as melodias das canções. Os três formam uma combinação única, mas com espectros e identidades diferentes.

A música brasileira passa por um momento de fortes críticas, devido aos gêneros comerciais estarem em alta. O retorno do trio deixou explicito como a MPB ainda influência e possui o seu espaço. Um exemplo disso, foi o sucesso e repercussão do lançamento do álbum no Facebook, o trio fez uma live alcançando mais de 5 milhões de pessoas, em mais de 50 países diferentes.

Apesar de ser um trabalho morno e sem muita novidade, continua sendo um bom disco de se ouvir. Com sonoridade leve e alguns versos marcantes, pode não repetir o sucesso do primeiro, mas também não irá desagradar o público que acompanha o trabalho de Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown.

Tribalistas – Tribalistas

Lançamento: 25 de agosto de 2017
Gravadoras: Phonomotor Records e Universal Music
Gênero: MPB
Produção: Marisa Monte, Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Alê Siqueira e Daniel Carvalho

Faixas
01. Diáspora
02. Um Só
03. Fora de Memória
04. Aliança
05. Trabalivre
06. Baião do Mundo
07. Ânima
08. Feliz e Saudável
09. Lutar e Vencer
10. Os Peixinhos