Colunas

Essa me lembra você: Zeca Veloso, Caetano Veloso, Moreno Veloso – Todo Homem (feat. Tom Veloso)

Foi em dezembro de 2017, bem quando lançaram essa música, que você me enviou o link dela para eu ouvir e disse: “toda mulher também precisa de uma mãe”. Na época, completava-se um pouco mais de um mês que minha avó, sua mãe, havia partido e nesse momento a gente só soube rememorar a falta que ela estava fazendo naqueles dias e semanas.

O que eu não sabia, e tampouco esperava, era que quatro meses depois estaria eu despedindo de você, mãe. Em tão pouco tempo, eu vi partir duas das mulheres que considero como mãe. E então foi aí que essa música dobrou de tamanho e sentido para mim. Hoje, mais que nunca, eu entendo tudo o que ela e você quiseram dizer com os versos dessa canção.

Na dor da perda, a gente tenta significar coisas que nos fazem lembrar das pessoas que se foram para não perder na memória aquilo que deixaram de melhor dentro da gente. A partir desse movimento nada fácil de fazer, eu entendi a importância do aconchego, do alento e de se fazer lar dentro de outros, principalmente aqueles que estão com você independente de tudo.

Foram 19 anos de convivência quase que diária, sendo os últimos dois anos de longe, já que eu morava fora para estudar. Porém, nem mesmo os 340kms que nos distanciavam foram capazes de desfazer qualquer laço que tinha entre a gente. E é por isso que eu me fiz entender e perceber que todo homem precisa de uma mãe.

Precisa porque a gente não nasce do nada e nem cresce do nada. A gente tem quem cuida e quem gera. Tem quem nutre – de amor. Tem quem ensina, que mostra as adversidades da vida, que vence barreiras sexistas para fazer o filho entender muitas coisas desse mundo. E para que isso tudo acontecesse, eu tive uma mãe que manteve laços comigo desde o cordão umbilical, como ressalta a letra dessa canção, mas que depois se sustentou com cada abraço, conversa, risada e morada.

Eu fui e serei eternamente feliz sempre que lembrar de quem sou filho porque, por privilégio e sorte da vida, eu tive uma mãe que se materializou em cada pedaço de mim. Você foi minha voz, minha luz, meu som. Foi minha cabeça e coração. Hoje olho pro céu e tento entender que, mesmo não mais aqui, você ainda continua sendo o meu abrigo, meu colo e meu chão.

O espaço está aberto para todos os leitores compartilharem suas histórias. Curtiu? Mande sua história para imprensa@audiograma.com.br com seu nome e lugar aonde reside ou, se preferir, pode deixar aquela mensagem privada lá em nossa página do Instagram, fechado?

Para ver os posts anteriores, clique aqui.

Comentários