TV Audiograma

Parece que a Anitta vai salvar o carnaval com uma música poliglota

Finalmente, Brasil! Depois de muitos teasers, na última sexta-feira a Anitta lançou “Bola Rebola”, parceria com Tropkillaz, J Balvin e MC Zaac. A música era muito esperada porque, convenhamos, 2019 até agora não tem um hit de carnaval (“Jenifer” é ótima e estourou, ok, mas além de ser um ritmo menos carnavalesco, é de setembro de 2018 e já deu uma saturada). Então aparece Anitta com uma nova opção, já que entre os últimos lançamentos do pop, funk e axé nenhum vingou pra rei momo.

Muita gente criticou “Bola Rebola” porque, aparentemente, é a mesma fórmula de “Vai Malandra” – inclusive repetindo os mesmos convidados Tropkillaz, responsáveis pelos beats, e MC Zaac, dividindo os vocais e endossando a pegada funk. O clipe também é bastante parecido, com a Anitta dançando em uma favela, usando brincos enormes de argola, seminua (isso não é uma crítica, aliás), sem disfarçar celulite, mais bronzeada e usando um estilo de cabelo afro. Não tem como ignorar, realmente tem semelhanças demais. Compare:

O que muda? Ao invés do rap ser em inglês, sai o Maejor, entra o parceiro de longa data J Balvin, que é colombiano e traz rimas infinitamente melhores que as do gringo (sério, gente…se você não entende inglês, joga no Vagalume ou no Google Tradutor e confere como é medíocre e machista o rap de Maejor em “Vai Malandra”. Ninguém aguenta mais o estereótipo de brasileira e bunda). Mas enfim, continuando: sai o Rio de Janeiro num dia nublado, entra Salvador em um verão ensolarado, com imagens lindas do mar. Saem as tranças, entra o megahair loiro. Também não tem mais o DJ Yuri (aê, Yuri, não dá uma atenção!).

E a batida de “Bola Rebola” é incrível, muito melhor que a de “Vai Malandra” e super marcante, com o trunfo de ser uma música chiclete, que fica na cabeça e tem refrão fácil. É uma batucada pesada, que tem tudo a ver sim com a Bahia e o carnaval brasileiro. Nesse ponto, André Laudz e Zé Gonzales simplesmente arrasaram – os dois DJs e produtores brasileiros são as cabeças por trás do Tropkillaz. Chama a atenção também a mistura de inglês, português e espanhol – e algumas misturebas dos três, num spanglish e portunhol proposital pra ficar mais estiloso, veja bem. E a Anitta impressiona com excelente pronúncia nas línguas estrangeiras.

Agora, só falta ver se realmente a canção vai estourar no feriado. O que você achou?